quarta-feira, abril 01, 2009

3

Criança tem que ser tratada como criança

"Acho que minha mãe pirou!" - era essa a expressão com que minha filha me olhava.
Quando na rádio tocou "Amigos do Peito" eu precisei aumentar o som e cantar e dançar como se tivesse meus 5 anos de volta.
Outro dia estava nostálgica falando da sessão da tarde, mas não é esse o sentimento. Não foi saudade da minha infância, foi um sentimento de esperança. Sim! Ainda há esperança para que as crianças sejam tratadas como criança.
Quando era criança as rádios tocavam em sua programação normal Xuxa, Balão Mágico, Trem da Alegria... Lembro de diversas vezes no carro meu pai ouvindo Altemar Dutra e de repente, para minha felicidade, entrava o Ilariê.
Hoje as rádios só tocam funk, funk melody, funk pesado, funk isso ou aquilo, tanto faz. É só isso que toca.
Outro dia fui em uma festa de aniversário de 1 ano, com o som ensurdecedor do dj tocando funk. Crianças ainda de fralda e chupeta dançando como adultos, músicas que elas ainda não compreendem a letra, repetem movimentos erotizados sem compreender porquê. Juro, tive vontade de chorar.
Não gosto de funk. Não gosto mesmo. E é por puro preconceito. Preconceito com quem desvaloriza a mulher. Porque pra mim funk é isso: desvalorização da mulher. Em mim, um tapinha dói e muito.
Obrigada, senhor radialista pelos 3 minutos de dedicação as crianças. Sei que as rádios não tocam músicas infantis porque simplesmente não existe música para elas. Não como antes. Sou do tempo em que o Vinícius de Moraes, o Jô Soares, o Raul Seixas, o Chico Buarque, a Maria Betânia, o Toquinho, o Roberto e o Erasmo Carlos cantavam com e para as crianças.
Essa carência de programas infantis de qualidade explica o sucesso dos programas estrangeiros nas tvs por assinatura, o problema é que nem todo mundo tem acesso a esses canais. Sem opção as crianças acabam sendo expostas ao que os adultos ouvem. E o que os adultos ouvem é lamentável...

video

Plunct, Plact Zum – Especial de Fim de Ano da Globo - Jô Soares canta
“Planeta Doce”, no tempo em que criança era tratatada com respeito.

3 comentários:

=D disse...

Assino embaixo!

Samuca disse...

É mesmo uma pena que a "industria" do comércio não se atente pras coisas simples, bonitas e que tocam a alma... Mas ainda há esperança com certeza... Porque no final das contas, criança é sempre criança... Seja nos nos 80 e nos anos "um monte" quem é que não gosta de brincar...

Yse Falcão disse...

Sensacional esse teu artigo!!!!! Nossas crianças estão virando mini-adultos e isso é mesmo lamentável. É mta informação mostrada da maneira errada para elas. Pobrezinhas!!!! Ninguém mais brinca de amarelinha,pique-esconde,a onda agora é vídeo-game e internet e nossas crianças estão perdendo a infância sadia q nós tivemos. È mesmo uma pena!!!

Postar um comentário